O que acontece com o cérebro quando amamos?

Eis o que acontece em seu cérebro quando você fica com aquela pessoa especial.

As pessoas dizem que o amor é como um vício. De acordo com alguns neurocientistas, eles estão certos! O amor romântico pode liberar tantos neurotransmissores em sua corrente sanguínea que os efeitos podem superar algumas drogas. Eis o que acontece em seu cérebro quando você fica com aquela pessoa especial.

Quando conhecemos o amor


Quando você tem borboletas no estômago ao conhecer alguém novo, os níveis de dopamina aumentam. Tudo o que a dopamina lhe dá é uma emoção extra quando você vê seu recém-amado, criando um desejo intenso de querer estar em torno dele ou dela. A neurotrofina chamado fator de crescimento neural acompanha toda esta euforia e aumenta a sua dependência emocional. Por último, os níveis de serotonina caem, o que fez subir o amor para o desejo. Este coquetel químico é por que os recém casais estão encantados um pelo outro. Estudos mostram que as concentrações químicas que fabricam cerveja dentro dos cérebros dos pombinhos recém-formados são semelhantes aos que sofrem de TOC.

É amor ou desejo?


O amor romântico é impulsionado em grande parte pelo centro emocional do cérebro, o sistema límbico. Enquanto isso, o desejo é controlado pelo sistema endócrino. Partes do hipotálamo preparar o corpo para o sexo, enquanto os hormônios esteroides amplificar o desejo sexual. Mas não descartar a luxúria como um instinto carnal primitivo. Quando você está desejando alguém, seu cérebro faz uma pesada carga de trabalho subconsciente.

Com o tempo é amor


Como a relação avança, os pombinhos se tornam menos obsessivo. A fase de ligação começa. Os núcleos do cérebro começam a produzir mais serotonina, enquanto que, dentro de um ano, os níveis do fator de crescimento do nervo geralmente retornam ao normal. As coisas podem parecer menos emocionante, mas o aumento da serotonina ajuda a produzir um anexo de confiança, menos necessitados que prepara casais para um relacionamento de longo prazo. Oxitocina hormonal que inunda seu cérebro durante um orgasmo oajuda a tornar as coisas mais estável. (Oxitocina, por sinal, é o mesmo hormônio que faz laços maternos.)

Anos de relação


Quanto mais tempo uma relação dura, menos dopamina é liberada. Mas isso não significa que a ligação está morrendo. Na verdade, uma molécula chamada de CRF (fator de libertação de corticotropina) ajuda a manter os casais juntos. CRF é liberado sempre que os casais são separados; ele cria uma sensação desagradável que lhes faz falta um do outro. Nos homens, uma molécula chamada vasopressina também aumenta. Vasopressina está ligada ao comportamento territorial, e isso pode explicar por que, em relacionamentos saudáveis, os homens se sentem leais e protetores de seus parceiros (enquanto em relacionamentos saudáveis, eles são possessivo). A vasopressina, também promove a fidelidade. Quando os cientistas inibiram receptores de vasopressina em ratos silvestres, os animais normalmente fiéis se tornaram muito chatos.

Algumas vantagens do amor


O amor faz você pensar mais rápido. Em um estudo, os participantes olharam para um computador como nomes na tela (mas passou tão rapidamente que não poderia conscientemente reconhecê-los). Quando o nome do seu amado ou amada apareceu, sua capacidade de executar exigentes tarefas cognitivas melhoraram significativamente. Os cientistas acreditam que isso é porque o amor ativa o sistema dopamina, esse sistema do cérebro que tem sido mostrado para aumentar as habilidades cognitivas e motoras.

Veja Também

Menstruação

Armas Biológicas

O que é homeostase?

Esquisofrenia

Floresta Amazônica

Citoplasma