Rodovia Transamazônica

Em 40 anos de obras, apenas 20% da rodovia foram asfaltados no estado do Pará, região que conta com a maior extensão da Transamazônica.

A Rodovia Transamazônica, também conhecida como BR-230, foi projetada pelo general Emílio Garrastazu Médici, que governou o Brasil durante a ditadura, de 1969 a 1974. A rodovia é considerada uma das grandes obras do governo militar no país e foi construída num momento de economia aquecida.

Médici considerava o projeto da transamazônica faraônico. A rodovia foi projetada para ter 8 mil quilômetros de comprimento, conectando as regiões Norte e Nordeste do Brasil e chegando também ao Peru e ao Equador.

Essa rodovia transversal foi inaugurada em 27 de setembro de 1972. Na ocasião, uma Castanheira foi derrubada em homenagem à obra. O tronco da Castanheira ainda existe na cidade de Altamira.

Atualmente, a rodovia transamazônica se encontra numa situação crítica, principalmente na região onde está sendo construída a usina de Belo Monte. São muitos buracos e trechos de lama que servem como verdadeiros atoleiros para os veículos que circulam na Transamazônica.

Em 40 anos de obras, apenas 20% da rodovia foram asfaltados no estado do Pará, região que conta com a maior extensão da Transamazônica.

Segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (DNIT), obras de recuperação e manutenção da rodovia Transamazônica estão em andamento. A expectativa é que a conclusão dos trabalhos de melhorias aconteça em julho de 2015.

Veja Também

Início da exploração do território brasileiro

O descobrimento do Brasil

A Invenção do Telégrafo

Consequências da primeira guerra mundial

Matrizes Culturais do Brasil

História dos Jogos Olímpicos