Fundo de Financiamento Estudantil

O Fies atende milhões de jovens brasileiros que têm interesse em cursar uma graduação nas diversas Instituições de iniciativa particular de todo o País.

O Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) foi criado em 1999 durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, e ampliado no governo seguinte de Luís Inácio da Silva (Lula), sendo sucessor do Crédito Educativo, que também atendeu milhares de estudantes.

O programa foi reformulado pela Lei nº 10.260, de 12 de julho de 2001, e é um programa do Ministério da Educação que financia cursos superiores não gratuitos com avaliação positiva no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes).

O Fies atende milhões de jovens brasileiros que têm interesse em cursar uma graduação nas diversas Instituições de iniciativa particular de todo o País. O Programa vem passando por diversas reestruturações ao longo dos anos e no atual governo, ele apresentou modificações substanciais.

O motivo para as mudanças, de acordo com o Ministério da Educação, é a alta inadimplência, que tem alcançado quase 50%, e tem gerado enormes rombos aos cofres públicos, o que poderá inviabilizar o programa de financiamento.

Acesse as principais mudanças referentes ao Fies que serão implementadas e as modalidades de financiamento que serão criadas. Elas objetivam atender aos jovens carentes em diferentes escalas de renda.

Critérios para inscrição junto ao Fies


Conforme edital do Fies, que é lançado a cada edição do Programa, os pré-requisitos para os candidatos interessados são:

- Ser de família com renda familiar bruta de no máximo três salários mínimos por pessoa;
- Ter prestado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) a partir de 2010; além de possuir média das notas nas provas igual ou superior a 450, e não ter zerado a redação.

Modalidades Fies: Público e Privado que serão implantados em 2018


Conforme informações do MEC, a partir de 2018 haverá duas modalidades principais para o Fies:

- Fies Público: renda familiar de até três salários mínimos, terá o FG-Fies como garantidor, cujo valor será corrigido pela inflação e taxa de juro real zero.
- Fies Privado: renda familiar de até cinco salário, com recursos do Fundo de Desenvolvimento Nacional do Norte, Nordeste e Centro-oeste. As taxas de juros serão fixadas pelos bancos e terá variação de acordo com cada estudante.
A proposta para 2018 será o oferecimento de 300 mil vagas para o próximo ano, sendo 100 mil financiadas pelo governo, com juros zero.

Veja Também

Como passar no concurso público?

Vacina da Dengue

Como entrar na faculdade com programas do governo?

Aposentadoria no Brasil

Próximas cidades desenvolvidas do Brasil

20 de Julho – Dia do Amigo

Reeleição de Dilma Rousseff